O Caminho do Ouro II

Já visitamos minas, acompanhamos a fundição e nos surpreendemos com a transformação do metal em barras de ouro. Agora, na superfície, o desafio é outro. Vamos descobrir como o ouro puro se transforma nas joias impecáveis da Manoel Bernardes.

A incrível jornada de uma joia.

Agora que já temos o ouro, qual é o próximo passo? Vem com a gente em uma trajetória impecável onde cada etapa merece atenção.

Na indústria.

O ouro puro – ou ouro mil ou 24k – chega no formato de fitas, que facilita o processo de fundição e deixa a mistura com a liga muito mais homogênea. A indústria corta as fitas em pedacinhos e prepara a matéria-prima para o próximo passo.

Quantos quilates?

Chegamos ao instante tão esperado: o momento em que acontece a definição dos quilates e do tom. O ouro mil é misturado com uma liga de prata, cobre e outros metais, denominada bullion. Dependendo da quantidade de cada um, é gerado o ouro 18k ou 14k, na cor amarela, branca, rosé ou vermelha.

Vamos para a fundição.

É nessa etapa que acontece a fundição do ouro à liga. Aqui percebemos a importância do ouro estar cortado em pedaços: além de facilitar o processo, diminui o tempo e deixa a mistura muito mais homogênea.

caminho-ouro-fundicao

Habemus pepitas!

O resultado do ouro com a liga? As pepitas. Ao analisar o processo como um todo, percebemos a importância de separar a fundição do desenvolvimento da joia. Afinal, assim se alcança um controle muito mais rigoroso do teor do ouro.

A Manoel Bernardes integra a AMAGOLD, associação de empresas que oferece garantia do teor do ouro nas joias que comercializa.

Vamos dar forma a joia?

caminho-ouro-design

O designer dá forma a sua criação, em traços manuais que viram imagem virtual na tela do computador. A partir deste projeto, a impressora 3D confecciona uma matriz de borracha, que nada mais é do que uma cavidade com o formato da peça. Este molde é injetado com cera líquida que, quando esfria e endurece, vira uma peça de dimensões reais. Ou, como interpretariam os olhares mais lúdicos: delicadas e curiosas peças que se parecem com Lego.

 Oh, my gold!

caminho-do-ouro-gold

Agrupados e soldados numa espécie de tronco, estes moldes de cera formam a chamada árvore, que é colocada dentro de um cilindro metálico para receber gesso e seguir por horas no forno.

Sob o calor, a cera derrete, mas deixa seu formato impresso no gesso endurecido. Só então o cilindro recebe ouro, que preenche os contornos deixados pelo molde da joia. Jatos de água dissolvem o gesso e, voilà, o que resta é ouro sólido!

Acaba aqui, acaba lá.

Depois de fundidos, os produtos são cortados da árvore para então serem lixados. Só depois as partes móveis são soldadas. Caso o design da joia contemple gemas, ela segue para olhares detalhistas e mãos que combinam delicadeza e precisão. Em outras palavras: a cravação.

 

caminho-ouro-perfeicao

Se joalheria é arte, a cravação é obra-prima.

Surreal. Esta é a palavra que mais descreve a paciência e a habilidade necessárias no trabalho artesanal dos experts em cravação. Incrivelmente detalhistas, estes aplicam no metal as pedras lapidadas pela equipe especializada, uma por uma. Esta é uma das partes mais importantes do processo, afinal, você sabe: a beleza de uma joia está na sutileza dos detalhes.

caminho-do-ouro-cravejar

Brilho impecável!

Pensa que acabou? Ainda faltam toques finais: polimento, para extrair o brilho intenso que você conhece. E banhos de ródio, se for o caso de desenhar algum detalhe em tom diferente da peça.

Parem as máquinas.

Em um tempo onde a tecnologia assume funções antes jamais imaginadas, é difícil absorver todo o meticuloso trabalho que envolve a produção de uma joia. Os ourives fazem mais do que um trabalho manual: é artesanal, é exaustivamente delicado, é a prova de quem sim, a perfeição ainda vem das próprias mãos.

caminho-do-ouro-joias

Falou em perfeição? Check!

Chegamos na última etapa: o controle de qualidade. É neste momento que o profissional confere se todas as etapas foram executadas de forma ideal, avalia a perfeição do acabamento, o funcionamento de fechos, pressões e tarraxas. Só assim, autoriza o envio para as lojas, onde a peça enfim ganhará seu sentido: um encontro muito especial entre você e a sua próxima joia preferida.