Ciclo da Vida

A primeira mulher a dirigir um espetáculo do Cirque de Soleil é brasileira!! Conheça a trajetória de Deborah Colker, nosso principal expoente no universe coreográfico

Um ovo numa comunidade de insetos. Eis o enredo da atração do Cirque de Soleil, que recentemente aterrissou em terras brasucas. Com seleção apurada de artistas – incluindo atores, bailarinos e performances circenses – de 17 países, “OVO” tem perfume 100% nacional. Obra da coreógrafa e diretora Deborah Colker: a primeira mulher a dirigir um espetáculo da companhia. A bailarina bebeu na nossa fonte antes de escrever, dirigir e coreografar o show, que abriu as cortinas, pela primeira vez, há dez anos, no Canadá.

Mesmo se tentasse, Deborah não conseguiria se despir de suas raízes verde-amarelas. Com uma companhia renomada para chamar de sua e diversas coreografias de comissões de frente do carnaval carioca, suas cria- ções percorreram – e ainda viajam! – por todos os scripts do nosso país. Nenhum balé que ela coordena é ao acaso – tudo sempre é embasado em algum tema que precisa ser discutido. Suas invenções, aliás, cruzaram os oceanos garantindo, em 2001, o prêmio de “Outstanding Achievement in Dance”, do Laurence Olivier Award, em Londres.

De lá para cá, conseguir espaço na agenda de Deborah se tornou tarefa árdua. Ela foi convocada pela FIFA para assinar a coreografia que foi apresentada na grade de atividades culturais da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, e foi a Diretora de movimento das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro (que conquistou o globo com a intensidade dos movimentos e cutucadas sociais). Foi entre esses dois marcos no universo esportivo que ela elaborou “OVO”, que está pela primeira vez no Brasil, e estreou em Belo Horizonte e depois segue turnê por Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo. A temporada se encerra na capital paulista, em maio.

ciadeborahcolker.com.br

Imagens do espetáculo Ovo, dirigido por Deborah Colker